Boas práticas de fabricação na indústria de embalagens

A produção de embalagens gera muitas dúvidas com relação à legislação aplicável a cada caso. Em seu artigo sobre BPF na indústria de alimentos, Vanessa Cantanhede explica sobre os principais itens a respeito deste assunto.

Do ponto de vista regulatório, a ANVISA, por meio da resolução RDC 91/01, que trata dos critérios gerais para embalagens e equipamentos em contato com alimentos, estabelece que as embalagens devem ser fabricadas em conformidade com as Boas Práticas de Fabricação. Veja:

“Os materiais de contato com alimentos devem ser elaborados conforme boas práticas de fabricação e de maneira que não sejam fonte de contaminação química pela migração de substâncias indesejáveis ou contaminantes ao produto, acima do limite de migração, quando este é estabelecido”

Porém, não existe um regulamento específico de BPF aplicável ao setor de embalagens, mas algumas referências podem ajudar bastante. Dentre elas, podemos citar a Portaria 321/2008, que apresenta uma Lista de Verificação em BPF para Indústria de Embalagens de Alimentos; Consulta Pública 42/2015, que serve também como fonte de inspiração e referência do que a ANVISA está pensando em exigir dos fabricantes de embalagens; RDC 275/02, que é mais recente e genérica e, por fim, a Portaria SVS/MS 326/97, que é indicado como referência pela própria ANVISA.

Fonte: Food Safety Brasil – Veja o texto original na íntegra.

Com o Sistema GreenLegis – Conformidade Legal as empresas do ramo alimentício podem conhecer e controlar o atendimento à legislação aplicável ao seu estabelecimento e seus produtos, com a melhor tecnologia e conteúdo do mercado, a um excelente custo-benefício. Saiba mais aqui.

Quer saber mais? Entre em contato!
Post Recentes

Vídeo educativo da ANA explica a “Lei das Águas”

Saiba como obter até 60% de desconto em multa ambiental federal

Conheça a outorga de direito de uso de recursos hídricos

Conformidade Legal Ambiental Corporativa

Conformidade Legal Ambiental Corporativa

Como prevenir as doenças ocupacionais

investir em segurança do trabalho

Por que investir em segurança do trabalho?